Um ano bom

Há mais ou menos um ano, surpresos com a notícia e tristes por não estarem pessoalmente ao meu lado, pai e mãe ouviram o que cabia contar do episódio e, no lugar de opiniões e conjecturas, emitiram um conselho que  virou um lema,  quase um mantra: “Filha, cuida de ti.”

Fui pro Rio-de-Janeiro-gosto-de-você algumas vezes depois disso. Dancei, tomei banho de mar, andei pela areia e vi aquele por do sol, brega de tão lindo, sentada na pedra. Redescobri São Paulo da garoa e dos temporais de verão e fizemos as pazes depois do choque que foi voltar de Madri. Morei três meses num flat sem fogão, descobri que dava pra cozinhar macarrão no micro ondas (ficou bom!), vez por outra ia ler na piscina, comia e dormia pouco. Estava jururu e ganhei todos os melhores colos do mundo.

Encontrei apartamento, saí do emprego sem ter outro em vista, mudei-me trazendo caixas aos poucos com a ajuda de amigas. Não lembro que comida inaugurou o fogão, mas fiz uns pães logo no começo.  Só sei que na primeira leva da mudança, vieram uma mala de roupas, as panelas, cacalhadas de cozinha e livros de comida. Prioridades…

Pulei o Carnaval entre os blocos de rua do Rio, passei a Páscoa com a família, voltei a dançar: ballet clássico e jazz. Voltei também a dormir. Cozinhei pros amigos, que vinham aos poucos, para que coubessem com algum conforto. Botei tabasco demais num gazpacho de melancia e quase matei a convidada. Apesar disso, ela ainda é minha amiga. Tocamos violão, ouvimos música e rimos um pouquinho mais alto e até mais tarde do que o tolerado pelo vizinho de baixo, que ameaçou me denunciar pro condomínio.  Às vezes a gente quebra umas regras,  erra a mão na pimenta, passa um pouco dos limites e tudo bem.

Fui convidada a dar umas aulas de cozinha para gente que eu nunca tinha visto, aceitei, foi lindo, peguei  gosto pela coisa. Sou feliz de avental diante de um fogão, da máquina abrir massa, da batedeira. Se tinha alguma dúvida, ali ela foi embora. E compartilhar o que sei de cozinha além do que está neste site virou um projeto pra 2012.

Encantei-me com uma receita de bolo de laranja sem ovos, enchi-me de coragem, fui fazer, comi, estava ruim, esperei um tempo, pior, não era o que eu pensava ser.  Encantei-me por um moço, aceitei o convite, foi bom, deixou de ser bom, não era quem eu pensava.  Às vezes a gente se apaixona é pela ideia da coisa ou da pessoa e tudo bem.

Resolvi, de uma hora pra outra, fazer uma viagem mais longa. Passei três semanas na Suíça, dei um pulo em Madri. Saí com umas ideias e, chegando lá, tudo aconteceu diferente. E que bom. Comi, cozinhei, cozinharam pra mim, fui mimada, fiz amigos novos que parecia conhecer há 10 anos, conversamos por longas horas sobre aquelas profundezas que estávamos todos vivendo, todos mais ou menos na mesma situação, todos buscando viver de um jeito muito parecido: leve.

Mesmo tendo perdido mais da metade dos ensaios, resolvi participar da apresentação de fim de ano da escola de dança. E não uma, mas duas coreografias totalmente novas pra mim. Primeiro você tenta não cair, depois tenta não esbarrar nas colegas, depois certifica-se de que fez o movimento certo, depois sente a música, depois cuida pra não se emocionar demais e esquecer os passos, no fim dá tudo certo.  No pico dos ensaios, dançava 13 horas por semana, entre sapatilha e sapato de salto. Das pequenininhas aos adultos, turmas de iniciantes (como a minha) a bailarinos e bailarinas mais experientes, dançamos uns 130 alunos, mais ou menos. Na plateia, só gente querida de todos, gente que estava ali com olhos de amor e nem deu muita bola pros micos que pagamos. Foi um dia especial.

Peguei um projeto para fazer, contrato de três meses. Voltei oficialmente a trabalhar, desta vez de casa, no lar-doce-lar, meu home-sweet-office. Com alguma disciplina, arrumo tempo para ver os amigos, dançar, passear, ir ao cinema acompanhada ou comigo mesma, cozinhar alguma coisa de vez em quando, ler na piscina, ouvir música, ganhar os melhores e mais sinceros abraços dos filhos e filhas das amigas, ser paquerada (esses paulistanos andam mais atrevidos ultimamente) e rir muito do que vem acontecendo nos últimos dias.

Foi mesmo um ano de rir, de chorar, de chorar de rir. Fiz grandes mudanças, viajei, lembrei de como tenho sorte de ter esses amigos todos e de como a vida é uma delícia, me apaixonei por coisas e pessoas uma e outra vez, desapaixonei do que já não fazia sentido, coloquei a vida toda em perspectiva, deixei um trabalho sem ter outro, descobri que existe amor em SP, trabalhei arduamente nos últimos doze meses para estar aqui, viva e contente no dia do meu aniversário.

É, pai e mãe: eu cuidei de mim!



17 comentários em “Um ano bom

  1. Vinz

    Bouaaaahahahahaaaaaa. Estou com lágrimas nos olhos após ler este depoimento tão emocionante! Parabéns Fêfê, e estou mega feliz de ter participado un pouquito das suas aventuras neste ano! Le Roi est mort, vive le Roi!!!!!!! Um beijão achocolatado, samck !!! =)))

    participou, ajudou, deu colo, fez rir… suíço do coração!

    Responder
  2. Roberta

    Dadi-Fer, não nos conhecemos no ano passado, e nem nos conhecemos muito bem, mas fico sempre muito feliz por você quando vejo o quão feliz você está. Espero que os anos vindouros sejam generosos e que você possa realizar muitos sonhos, continuar caindo e levantando com alegria e apostando em desejos e projetos um tanto quanto incertos, mas que podem, sim, dar muito certo.
    Um beijo e meus sinceros parabéns!

    roberta, muito obrigada, você me emocionou de um tanto… beijo grande!

    Responder
  3. Neile

    Minha Amiga de longe! Feliz por vocE! Por estar viva, plena e novamente absoluta. Fernanda, nem sei se se lembra mais de mim, mas, saiba que nao esqueco de ti e hoje vim pra lhe dar meu melhor abraco (virtual). Uma das minhas melhores experiencias de vida e cozinha foi reproduzindo uma receita sua…de tempos idos e na companhia do inestimavel pano de minha adorada voh, que tudo viu, apreciou e aprovou lah do plano de cima…
    Seja muito, muito feliz e mantenha o conselho dos pais como lema de vida: cuide-se, ame-se, preserve-se, proteja-se..cah eu tambem vou aproveitar pra mim.
    Obrigada por existir.

    Bjs

    Neile, é claro que me lembro de você! Uma das minhas primeiras leitoras. Que lindo isso que você escreveu, e que bom que você também teve o privilégio de cozinhar com e para sua avó. Cuide-se você também e obrigada pelo carinho!

    Responder
  4. Babbo

    É babbando que abro meu comentário sobre a Dadivosa. Realmente cuidar da gente é um princípio elementar… e, longe de ser qualquer coisa egoísta. Só se gostando podemos sentir o prazer de gostar(É brega?). Quero gostar. Isso é muito bom. Que bom, que em teu canto consegues com tanto encanto extasiar as pessoas, deixá-las com um sentimento bonito. Tuas palavras fluem e enebriam. Eu aqui no meu canto vendo teus tantos encontros, teus tantos momentos de prazer. Prazer sim, pois a vida deveria ser tratada assim, mesmo quando se está triste. Pois na tristeza nos tornamos belos(isso é poético!). Esse golrioso dia me reporta quando esperávamos por Ti. Era algo inusitado para nós. O primeiro rebento, ou rebenta? ahahahahah. o tempo é muito curto e você se tornou essa linda Mulher que amamos demais. Contagie as pessoas ao teu lado e se deixe contagiar por elas, pois isso é muito bom. Acho que é o que vale a pena. Um grande beijo. Um grande beijo é muito pouco. Te amo. Babbo

    Babbo, tua primeira rebenta aqui tá se arrebentando de chorar. De feliz. Eu também acho que é o que vale a pena! beijão!!!

    Responder
  5. Ruth

    Oi filha querida
    O Babo falou tudo o que eu queria dizer(fez escondido de mim)agora o que me resta é continuar agradecendo a Deus por ter nos abençoado com a tua vinda.Te amamos sempre e cada dia mais.É muito bom ver como você encara e curti a vida.
    desejamos sinceramente que os objetivos deste ano(aqueles que conversamos lá na Guarda)se realizem,mas se assim não forem também saberás compreender…no mais ENTREGA O TEU CAMINHO AO SENHOR,CONFIA NELE E NO MAIS ELE FARÁ.
    Felicidades
    Beijos

    Eu sei, Mãe. (pausa aqui pra pegar um lenço de papel, porque já não estava enxergando mais nada). E como é bom te amar e ser amada por ti!

    Responder
  6. Monique

    Fê Ballet,
    Assim está seu nome gravado no meu celu, acho que vou trocar para Fê além Ballet …rs… a nossa amizade é além Ballet, você se torna a cada dia uma Amiga mais especial.
    Amei a forma leve e inteligente que você escreve, além de uma linda bailarina, você é uma escritora original que escolhe as palavras de coração aberto.
    Adorei o ” brega de tão lindo”, que ” é feliz de avental diante de um fogão..”
    Você é a Alegria em pessoa Fefê!
    Felizmente participei do momento apresentação de ballet, posso dizer pois eu VI! rs… Você dança com alegria, com energia de quem VIVE nos seus 100pct.
    Que seu ano de 2012 seja abençoado de mais amor, ballet, jazz, cozinhar, escrever, viajar e de fazer o que seus pais pedem.
    Lindo demais você honrar seus Pais neste texto.
    Parabéns!
    Te adoro! Bjão, Mô

    Amiga, você foi um presentão nesse ano bom que passou, e vai estar comigo nos próximos, que serão melhores ainda!Um beijo enorme e bom carnaval!!!

    Responder
  7. Dadivosa

    Obrigada, meus queridos!
    Eu nem consigo responder direito, estou aqui co zóio cheio d’água outra vez.
    Pai, mãe, amigos que me conhecem pessoalmente e amigos leitores. Vocês estão ali no texto, não sei mais o que dizer.

    Responder
  8. Juana

    Querida,
    Tudo o que eu queria falar foi escrito já, e tão bem, que só tenho a acrescentar: continue assim, estou aqui torcendo sempre por você. Que a vida continue plena e generosa, que os bons ventos estejam sempre com você :***

    Responder
  9. Renata

    Fe dadivosa querida!
    Que lindo texto. Como compartilho com vc o amor pelas palavras, pela culinaria, pela dança e pela vida! Foi muito bom encontrar você nos palcos da vida em 2011. e dançando, cozinhando, escrevendo e amando (sem nunca desistir mesmo que o coraçao nao caiba no peito de alegria ou de tristeza) vamos encarar 2012, certas de que o caminho é o mais importante.

    Beijos neste coraçao tao lindo

    Re

    Responder
  10. junelise

    Dadivosa, querida,

    Ai, ai, como é bom a gente se querer bem e como isso contagia e transcende! Sua energia é inspiradora e desejo que 2012 seja repleto de sonhos realizados e a realizar. Esse ano vai ser lindo, tenho acreditado nisso.
    Enquanto lia o seu texto, me reportava as minhas próprias mudanças, também mudei de cidade e já me apaixonei e “desapaixonei” por coisas e pessoas, mas não me desgrudo das panelas e dos livros e sempre que posso, dou uma passadinha por aqui pra te ler.
    Um beiju grande pra ti,
    Com carinho, June

    Responder
  11. Cynthia

    Cheguei aqui, no seu blog leve e divertido por vias de uma foto do seu creme de abacate que apareceu no Goggle serach (a pergunta era se vai limão e leite ou só limão, será que o leite não azeda com o limão?- não lembrava… pois já há 20 anos moro na California). E me vi, em meia hora lendo vários dos teus posts e rindo às gargalhadas e chorando de emoção. Que delícia! E que saudades dos amigos e de compartilhar coisas gostosas. Adorei, parabéns, por favor escreva mais! Livro?

    E o creme de abacate ficou bom, ajuda a matar a saudades um pouco. De lamber os dedos e as colheres.
    um abraço com muita admiração,
    Cynthia

    Responder
    1. Dadivosa

      Cynthia,
      Quem se emocionou fui eu… que bom saber que o que escrevo e cozinho pode entreter e ajudar pessoas como você. Volte mais vezes!
      Um beijo cozóio chei d’água ;***

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Arquivos

Post aleatório

O Prefácio Perfeito

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail