Retrospectiva 2013

2013

Feliz 2014 <3

Quando 2013 for apenas mais um objeto obscuro e obsoleto nas já despencantes prateleiras da memória, quando eu soprar os números entalhados na madeira e alisar a superfície na tentativa de lembrar o que aconteceu naqueles dias, terei ao menos a certeza de que foi um ano bom. Se o retrasado foi metade desassossego e metade gratidão, se o passado foi metade perder e metade encontrar o prumo, o ano que acaba hoje foi metade na cozinha de casa (a nossa-minha e a nossa-sua) e metade fora dela.

 

Segue a já tradicional retrospectiva…

Ensinei meninas de 8 anos a cozinhar na festa do pijama da Camila. Transformei meu apartamento em diminuto restaurante para cinco comensais. Fiz pão, patê, sopas, pudim de claras, terrine, lula, berinjela, pato, arroz de tudo o que é credo e cor, tapioca, sanduíche de sorvete, farofa de pão, bolo… Isso até agosto. No segundo semestre, fiquei mais fora da cozinha do que gostaria. Só que para mim a cozinha já não tem mais dentro e também não tem mais fora, descobri hoje. É estado de espírito, fluxo de consciência, mantra, transe, meditação, é quando a alma dá um cochilo revigorante. O “estar dentro do lugar que não tem dentro e nem fora” que o poeta escreveu tem outra conotação, eu sei. “Disturbed this Morning”, do Leonard Cohen, fala de querer estar outra vez dentro de outra pessoa. Mas tem tudo a ver, pois a sensação de conter e ser contido pelo outro, a pequena morte, a entrega, a perda da noção de tempo como o conhecemos e aprisionamos, a força estranha de estar ali carrega semelhanças com o que sinto ‘cuando cocino’, vocês bem sabem. 2013 foi um tempo de procurar entender algumas coisas e saber que outras não tem explicação: ou a gente sente, ou não sente. Como isso de cozinha não ter dentro e não ter fora e de preguiça também ser amor. Foi também o ano em que cumpri a intenção de atualizar do Dadivosa com frequência um pouco maior. Foram 29 publicações, mais que o dobro do que rolou no ano anterior. (e daqui a algumas semanas o Dadivosa completa 8 anos, número que para mim tem mais personalidade e significado do que datas redondas, os clássicos 5,10,15… como já disse aqui. Chamei vocês para comemorar comigo, viram? É só contar qual receita você fez, não precisa escrever um tratado. ) Foi o ano em que nunca mais cozinhei sozinha, mesmo quando só para mim, pois agora sei que não tenho mais dentro e não tenho mais fora (lembra daquele outro poeta que diz carregar com ele o seu coração e de carregar você no coração dele?). É isso o amor, é isso o amigo de verdade. E foi por causa do que mais importa, do amor e do amigo, que 2013 leva a estrelinha de ter sido bom. No ano que vem, Leitora e Leitor queridos, desejo que você possa estar no lugar que escolher estar, seja ele a cozinha, o corpo da pessoa desejada, a beira da praia, a ribalta ou debaixo do cobertor. Que você possa fazer suas escolhas e ficar em paz com elas. Que você tenha pelo menos um amigo de verdade. Que você consiga se sentir muitas vezes dentro desse lugar que tem dentro e também não tem fora. Feliz 2014!



6 comentários em “Retrospectiva 2013

  1. Joice

    Oi Fernanda,

    eu também passei a primeira metade de 2013 na cozinha, e seu texto traz de forma poética toda esta descoberta…que transforma…
    bjs e um excelente 2014 para nós

    Responder
  2. Graça

    Ao ler as suas palavras sempre tão bem escolhidas, que produzem em mim um efeito tão inesperado, pelo impacto das suas verdades, dei por mim a ponderar se 2013 tinha sido bom ou só meio bom. Concluí que a metade que passei na cozinha, foi boa sim e eu fiquei me sentindo melhor…Obrigada!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Arquivos

Post aleatório

Cozinha pra mim?

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail