Las Palabras y las Cosas – Parte I

Aqui se diz picatostes para croûtons. Cojines são almofadas. Almohadas são os travesseiros, mas travesero é travesso. Sábanas são lençóis, bajera pro de baixo, encimera pro de cima. Encimera é também a bancada da cozinha.

Torrijas sao como as rabanadas que comemos no Natal, só que aparecem é na Páscoa, rebanada é tão simplesmente uma fatia de pão. Uma fatia igualzinha àquela que minutinhos atrás cortei e fritei em azeite quente pra fazer picatostes.

.*.

As palavras e as coisas é o título de um livro de Foucault. Tive contato intenso com ele, o livro, não o Messiê Fucô, quando parei de fazer a ponte Rio-São Paulo toda semana, despedi-me da primeira e fui desbravar a segunda. Gosto por demais desse título, As Palavras e as Coisas, a despeito de pouco lembrar do miolo além da parte que fala sobre ‘As Meninas’, aquele quadro do Velásquez que tem metalinguagem, uma luz incrível, espelhos intrigantes, portas entreabertas, olhares expressivos e mil reflexões possíveis a fazer. Taí, vai ver é por isso que ando com esse nome na cabeça desde que pisei nessa terra :)

.*.

Chamei de Parte I, Leitor e Leitora queridos, porque sei que tenho muito ainda a descobrir. E se você tem aí na ponta da língua uma dica, um causo, uma palavra, uma coisa, deixe aqui um comentário, que certamente vai aparecer na Parte II, na III e quantas mais houver.



6 comentários em “Las Palabras y las Cosas – Parte I

  1. miki w.

    dadi, as palavras são tão belas. já escreves tão bonito com ‘a última flor do lácio inculta e bela’ e estoy doida a ver posts brincalhões com essa nova língua que te agora te segue!

    besitos, miki

    Ô, Miki-rida. Acho que eu a sigo mais do que ela a mim, vou correndo e dou minhas tropeçadinhas. Mas por ora estamos nos entendendo :)
    Um beijo, viu?

    Responder
  2. Fer Guimaraes Rosa

    Fer, escutei no radio outro dia uma entrevista com uma pesquisadora da linguagem, onde ela explicava como dependendo da lingua que falamos, mudamos nossa perspectiva de ver e pensar o mundo. Ela dava como exemplos faladores da lingua alemã e da espanhola e de como os objetos tinham generos diferentes–a mesa eh masculina para o alemao e feminina para o espanhol e assim os falantes dessas linguas definiam os mesmos objetos com adjetivos diferentes, definindo cada um a sua maneira, conforme a conotacao dada pela linguagem. As palavras e as coisas–exatamente como voce colocou aqui!

    Super beijo,

    Fer, que casualidad! De novo estávamos escrevendo uma à outra no mesmo instante. Sim, sim, as palavras e as coisas, esqueci de comentar do moço da loja que, ao me descobrir estrangeira (oboviamente, que meu sotaque é uma salada-russa) começou, todo querido, a me ensinar o nome das coisas de cozinha (eram bem poucas as que eu não sabia, por ululantes motivos, mas entrei na brincadeira). Ao final, soltou uma assim: “são ‘las fuentes’, ‘la olla’, la isso, la aquilo, la aquilo outro… tudo feminino, depois dizem que a Espanha é machista!” Eu ia emendar que é el cuchillo, el horno, etc etc, mas sorri e fiz a gringa :)
    Muito, muito verdade essa virada na perspectiva, uma lufada de ar fresco pra mim, que gosto tanto das palavras (e das coisas também).
    Me empolguei, Fer, isso virou praticamente outro post :)
    Vou começar a parte II desse trem já-já!
    ;***

    Responder
  3. joana

    estou na luta com as palavras desde que cheguei aqui… afinal, de castellano, eu tinha apenas o conhecimento instrumental adquirido com a leitura de textos na faculdade e um conjunto de frases reunidas em umas 8 aulas particulares! não sei porque certas coisas passam comigo, mas ainda me esgasgo em algumas besteiras (tonterias)… como pensar calzoncillo (cueca/boxer) quando a palavra é calcetines (meia), ou cuchillo (faca) quando quero de verdade um tenedor (garfo).

    =)

    (isso sem contar a surra que estou levando do catalão!)

    ps.: estou adorando os textos… me identifico com tanta coisa! =)
    beijos!

    Joana, fiz um ano e meio de aula, até que me viro… mas o catalão deve ser o bicho! E eu também confundo as meias com as cuecas hahahahah. Um beijo ;***

    Responder
  4. Marcia Parassol

    Querida Dadivosa,
    Há bastante tempo acompanho seu blog e nunca fiz nenhum comentário talvez até por timidez. Já testei algumas de suas receitas e o Sorvete da Vó Dinah ficou divino. Quase não deu tempo de fotografar e fiz algumas modificações por causa do meu filho e eu eexplico melhor no blog.
    Moro em Portugal há 11 anos e pelo visto estamos bem pertinho, quando quiser vir fazer uma visita seja bem vinda ok.

    Abraços,
    Márcia – Cascais.

    Márcia, querida, seja benvinda! Passei pela sua cozinha e deixei um oi ;***

    Responder
  5. Paula

    Dadivosa,
    Pelo jeito é a chance de quem nunca se manifestou, falar! Eu também sempre venho aqui, e tua ida pra Espanha me lembrou minha aventura de quase 10 anos atrás, quando passei uns 3 meses perambulando pelo País Basco…Euskera é algo que nem nos atrevemos a comentar! Ecaaaaaaaa! Morava numa pensão chamada TXIKI POLIT (ô linguinha que só tem X, T e K!), porém a palavra que acho mais meiguinha, e que mais adorei aprender em espanhol foi palomitas (pipoca), que vem de paloma (pomba)…uma delícia comer “pombinhas” e lembrar disso. Coisa fofa, né?

    Beijos, Paula

    Paulitixik, seja benvinda!
    Ainda não estive por aquelas bandas, mas sim, deve ser uma aventura e tanto! Palomitas é mesmo uma palavra fofinha, bem lembrado!
    Um beijo, querida, e não se acanhe, comente quando tiver vontade! ;***

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Arquivos

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail