Confissões de Uma Desertora

Manga

O tio Ricardo morou lá em casa por um tempo e de tão próximo virou uma espécie de irmão mais velho, depois amigo íntimo. Não são todas as pessoas que têm o privilégio de ter um tio como amigo de verdade, arrisco dizer.

Surpreende-me que seja uma coisa recíproca, pois ele precisou de uma paciência de Jó para nos aturar, quatro crionças de zero a cinco anos, até que virássemos “gente”. Só mesmo ele para agüentar as pestinhas e ainda fazer graça.

Ao chegar em casa, cumprimentava-nos sempre com sua saudação preferida:

– Oooooi, estropícios!

Ao que nós três respondíamos (porque a Yuli ainda era muito bebê):

– Ooooooi, tio Ricaaaarrrrdooo!

Sabíamos o que significava estropício, mas entre nós era um apelido carinhoso.

O tio tem o dom de usar o elemento-surpresa, de partir do inesperado para provocar nas pessoas suas reações mais profundas e sinceras.

Como no dia em que ele chegou para a Zula, que cuidava de nós quatro:

– Cadê a jararaca?

E ela, prontamente:

– Tá na sala!

Quando a Zula percebeu que tinha chamado de jararaca a minha mãe, já era tarde demais para consertar a gafe. O episódio virou uma daquelas anedotas familiares que não nos cansamos de repetir, provocando gargalhadas contagiantes.

O tio Ricardo contribuiu muito para a formação de meus interesses em geral.

Do lado dos gostos, posso citar essa paixão pelas coisas de antigamente, alguns tipos de música, a literatura, a redação e o humor. Para esse último foi fundamental a sua coleção de revistas MAD, que li inteira dos cinco aos seis anos, antes mesmo de ingressar na primeira série primária.

Adorava uma seção intitulada “O lado irônico de…”, cujas tiradas de humor negro até hoje custo a crer que podia compreender em tão tenra idade. Mas me lembro muito bem que eu lia. E ria muito. E gostava. E lia de novo.

Do lado dos desafetos, não consigo lembrar de nada além da rainha malvada das frutas, aquela verdadeira propaganda enganosa que é bela e perfumada por fora, mas langanhenta e fibrosa por dentro: a manga.

Cresci vendo a mãe e o tio Ricardo fazerem caretas medonhas ao ouvir esse nome. Cheguei a prová-la algumas vezes, tentando discordar deles e ser do contra, mas não houve jeito.

Éramos Os Três Mosqueteiros Contra a Fruta do Mal.

Dois anos atrás, ao passar o Reveillon na praia com meus pais, agarrou-me um ataque de pelanca quando vi pedações horrendos de manga no meio da salada.

E a mãe, com a maior naturalidade e cara-de-pau, falou toda meigosa:

– Filha, é uma delícia! Manga é uma fruta tão refrescante…

Foi a primeira a ser abduzida e ter a memória apagada, pois ela jura de pé junto que sempre gostou de manga desde pequenininha.

Ano passado, outro golpe. Ao queixar-me para o tio Ricardo do desgosto que tive com a mãe, ele solta a mesma frase, com olhos de vontade:

– Mas Fer, é uma delícia! Manga é uma fruta tão refrescante…

Ele também, abduzido e lobotomizado, havia passado por alguma espécie de lavagem cerebral frutífero-alienante. Tsc tsc tsc…que decepção!

Maaaassssss….. como a língua é o chicote do rabo, no dia 18 de dezembro de 2006 chegou a minha hora.

Ao descascar e cortar uma manga pela primeira vez na vida a fim de servir uma frutinha ao Sr. Dadivoso como sobremesa, fui atraída sobremaneira por seu perfume inebriante.

Não resisti e tasquei um pedacinho. E outro. E comi metade da manga, incrédula e embriagada com aquela mistura tão perfeita de aroma, textura, cor e sabor.

Sucumbi com vontade às propriedades organolépticas da manga e teria comido duas inteiras, caso houvesse.

Sr. Dadivoso, que por sua vez sempre teve de aturar as minhas caretas medonhas e xingamentos direcionados ao fruto da mangueira, fez-me ligar para minha mãe, a quem chama de Dona Sogra (ele pretende patentear a tratativa) para contar a feita.

– Mãe, hoje eu comi manga e gostei.

– É mesmo, filha?

– Mãe, é uma delícia! Manga é uma fruta tão refrescante…

E seguiu-se um diálogo, nunca dantes imaginado entre essa mãe e essa filha, que girava em torno das maravilhas da fruta irresistível.

Isso posto, fica registrado que aumenta meu escopo de testes culinários e abre-se “todo um mundo” de possibilidades de utilização: no risoto, na tapioca, com curry, com iogurte, em chutneys, geléias, bolinho…

Os cem anos que ainda quero viver perigam não dar para a quantidade de novas receitas que intento pôr à prova, mas certamente tentarei muitas delas até ficar bem velhinha.

Reduz-se, na mesma proporção, minha lista de alimentos-inimigos, na qual o coentro foi alçado ao posto de rei. A ver até quando, não é mesmo?

Pois confesso que desertei do esquadrão anti-manga e não sei por quanto tempo mais consigo garantir lealdade aos exércitos de combate ao coentro-fétido, à jaca-traventa e ao jiló-da-amargura.

Espero também um dia superar os traumas de carne de carneiro e de caqui. A ver, leitor e leitora queridos, a ver!



23 comentários em “Confissões de Uma Desertora

  1. Márcia

    kkkkkkkkkkkkkk
    Qdo vc disse q à Gêmela que ia contar a saga, eu não imagianva q seria tãããão tragi-cômica, assim!!!
    Vc se supera, amiga!!!
    Estou em cóóólicas, com as suas abduções e lobotomizações….
    Bjos.

    Responder
  2. Aninha

    KKKK
    Estou me matando de rir com esta história…é ótima.
    Eu adoooro mangas e como até verdes com sal. Quando eu estava grávida da Luana, bateu-me um desejo enorme de comer mangas verdes com sal, mas não era época…Mas minha mãe, zelosa como sempre foi atrás do tal fruto, e acabou encontrando-a num quintal de uma pessoa desconhecida. Não se fez de rogada, tocou a campainha e pediu: Dá pra vender uma manga que minha filha grávida está com desejo??rs Voltou pra casa com um saco cheio de manga e de graça…rsrs

    Responder
  3. Leilah

    Ahahahahahahha! Dadi, essa foi demais!!! Então vc tb foi abduzida por uma manga alienígena?!! rs
    Mas esquenta não, afinal manga é uma fruta tão refrescante, né?! rs
    Eu sempre amei manga, tinha um pé no quintal da casa dos meus avós maternos, eu subia no pé pra comer….coisa boa!! =)
    Agora q vc se entregou à sedução dessa frutinha tão suculenta, tenho certeza q boas surpresas virão…aguardo as receitas ansiosamente!!!
    Beijocas!!

    Responder
  4. Flaviana

    Dadivosa,
    você escreve muito bem, consegui visualizar toda a cena da sua saga com a manga.
    Vem cá, será que o Sr. Dadivoso me autorizaria a usar o Dona Sogra? Amei!!!
    Acho que o próximo a sair da sua lista de ruins é o caqui. Desde que você escolha um bem maduro, tenho certeza que vai adorar (porque caqui meio-maduro é pior que banana verde).
    Beijos e parabéns pelo blog.
    :)

    Responder
  5. Patricia Scarpin

    Com lágrimas nos olhos, amiga, é assim que estou agora – ri demais da história!!

    Adorei a parte do estrupício e das revistas MAD – eu adorava aquela parte “vc sabe que está em ‘tal lugar’ quando…” . :D

    Responder
  6. Mírian

    oi oi! sou leitora nova, e adorei a história da manga :)
    eu era louca por manga quando criança, mas acabei enjoando (e hoje não posso nem ver). quem sabe um dia eu supero isso e deserto também? ;)
    beijão, parabéns pelo blog!

    Responder
  7. Dauro

    Ri muito com sua história. Sabe que uma de minhas primeiras lembranças de vida é comendo manga num tanque de lavar roupa? Dizem que a melhor maneira de comer essa fruta lasciva é pelado/a, se lambuzando por inteiro. E em seguida entrar debaixo do chuveiro. bjs

    Responder
  8. Dauro

    P.S.: As mangas do Nordeste e do Norte são muuuuuuuuuuuuuito mais saborosas que as das outras regiões. O calor faz elas acumularem mais açúcar. Quem nunca comeu manga dessas regiões ainda não conhece a verdadeira fruta. Minhas preferidas são manga rosa (pelo perfume), manga espada (contribuíram com minha educação sentimental, pois aprendi a beijar com elas) e manga coité (enorme e suculenta).

    Responder
  9. Carol Grilo

    tio Ricardo me deu aulas de português, mas nem deve se lembrar de mim ;]
    Manga só no sushi, bem pequenininha ou na salada da sogra Julia.
    s-ó!

    ah! a loja da sua tia está um arraso no shopping novo daqui. chiquetésima
    beijões!

    Responder
  10. valentina

    Dadi, querida,muito me agrada saber que finalmente sucumbistes ‘a querida manga, fruta perfumada, saborosa..e maravilhosa. Como grande amante e propagandista do uso do coentro – sempre em moderação obviamente, me encho de esperanças de que um dia ele também passe a ter lugar cativo no teu paladar e geladeira.Ha de ser ter esperanças sempre.

    Responder
  11. BABITONGA

    Nega…
    Aconteceu comigo também…
    eu sabia que esse dia iria chegar para você… não que fosse tão tarde assim.. mas felizmente chegou.. estou tão emocionada que vamos poder dividir a mesma manga no reveillon hahahaha
    Ano Novo.. Manga Nova!!!
    beijangas para vc

    Responder
  12. Daniela

    Dadi, como é bom ler os seus relatos. Manga é relamente uma fruta tão refrescante e suculenta e cheirosa e deliciosa.
    A fruta que não como de jeito algum é jaca.
    Procurarei receitas dadivosas de manga para lhe mandar.
    Fazer no grill fica uma diliça.
    Valentina, acho que com coentro é mais complicado o sabor é pronunciado por demais.
    Beijocas

    Responder
  13. Vitor Hugo

    Como eu ri do texto! ‘tãoooo refrescante’! Essa fica pra história! uheuheuehue Eu gosto de manga, mas se a variedade permitir, tem que comer se lambuzando todo, é tão divertido. =)

    Responder
  14. Lunalestrie

    Assim como a Mírian, ali em cima, eu adorava manga quando criança e hoje nem chego perto. Agora a fruta que me dá vertigens só em pensar é melancia: nunca vou entender porque as pessoas gostam de comer um negócio com gosto de água suja!!! E olha que já dei mil chances: sempre me dá náuseas e dor de cabeça! Argh!!!
    Dadi, essas suas crônicas maravilhosas ainda vão sair em livro, escreva o que eu digo porque eu sou meio bruxa (rs). Beijinho.

    Responder
  15. Maria Helena

    auhuahuauhauhauh AMEI!! Mulher… vc faz a gente rir e sorrir! Talento PURO!

    Eu cresci com uma mangueira enoooorme no quintal da minha (ex-) casa, portanto amo manga…rs..rs… se eu deixar picadinha na geladeira, como num picra de olhos..rs..a cada vez que passo pela cozinha..rs…

    beijocas!!!

    Responder
  16. Renata

    Dadivosa, estou desesperada. Estou com uns 10 kg de manga para descascar e congelar a polpa. Em outras palavras, vou ter que acordar de madrugada por conta disso. Passei rapidinho para te desejar um natal dadivoso para ti e os teus. Bj

    Responder
  17. ANGELA

    Eu adoro manga
    toda festa que tem em casa o pessoal pede pra eu fazer essa “sopa”
    é divina e muito refrescante, adivinhe se já não pediram pra eesse natal tbem !!!
    SOPA DE MANGA DA ANGELA
    INGREDIENTES:
    500 ml de suco de manga concentrado (MAGARY)
    1 lata de pêssegos em calda
    2 mangas grandes maduras e firmes
    2 kiwis
    10 grãos de uva Itália sem sementes
    Adoçante líquido a gosto
    MODO DE PREPARO:
    Picar todas as frutas, adicionar o suco de manga (sem água, concentrado mesmo)
    Adoçar a gosto. Servir bem gelado.
    Rendimento : 10 porções
    se quiser com bastante caldo pode colocar a calda do pêssego em lata
    pode por cereja no lugar na uva
    ou outras frutas que gostar
    eu as vezes coloco melão, pêra, maçã, banana
    bjs
    angela

    Responder
  18. Rejane

    Dadi, manga é sensacional!!!! Amo de paixão cada pedacinho dela, inclusive me deliciar chupando o caroço até não restar nada, nadinha!!! Experimenta um dia fazer um risoto de camarão e manga pra vc ver, não vais nunca mais conseguir pensar em outra coisa…rsrsrs. Um beijo e um Natal maravilhoso pra vc e sua familia, e que o ano de 2007 chegue cheio de paz, saúde e boas vibrações.

    Responder
  19. Pingback: Dadivosa » Beijo Travoso

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Arquivos

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail