Receita de Pão sem Sova

Bastam fermento, água, sal, farinha e cinco minutos com a mão na massa para ter pão caseiro quentinho e crocante todos os dias. Testei a promessa do livro “Artisan Bread in Five Minutes a Day” há bastante tempo, que dá uma receita de pão sem sova que você mistura, deixa crescer e depois guarda na geladeira por até duas semanas para ir assando sempre que quiser.

O Livro: Artisan Bread in Five Minutes a Day

O livro explica a técnica, os porquês, os senões, as variações e as mil firulas que você pode empregar nesta que, para mim, é mais fácil ainda do que receita de pão de liquidificador. E ainda suja bem menos louça, o que nunca é ruim.

Os cinco minutos por dia, como vocês podem imaginar, é o tempo “ativo” da coisa. O que o título chamativo não conta, e que você deve ficar de olho, é que o pão vai precisar de uns 40 minutos para crescer, uns 30 minutos para assar e mais o tempo de esfriar (mas quem é que em sã consciência faz um pão cheiroso desses de casquinha crocante e tem a força de vontade de esperar esfriar?).

A receita mãe é a que segue, com meus comentários e simplificações.

Receita de Pão sem Sova

Ingredientes:

  • 3 xícaras de água morna
  • 1 1/2 colheres de sopa de fermento biológico seco (fermento para pão, pode ser aqueles de envelope)
  • 1 1/2 colher de sopa de sal granulado (você pode moer o sal grosso, ou usar sal fino reduzindo a quantidade pela metade)
  • 6 1/2 xícaras de farinha de trigo (ou 5 1/2 xícaras de farinha branca e 1 xícara de farinha integral)
  • farinha de milho ou trigo para polvilhar (quando for assar)

Como fazer:

  1. Em uma vasilha de plástico com tampa (não pode ser tampa hermética) e capacidade para uns 6 litros, coloque a água morna e em seguida o fermento. Não precisa nem misturar.
  2. Despeje a farinha de uma só vez e coloque o sal por cima.
  3. Mexa com uma colher de pau até que os ingredientes se incorporem e só. Nem pense em sovar. A massa é bem mole e pegajosa mesmo.
  4. Cubra levemente a vasilha e deixe a massa crescer, abrigada do vento, por umas duas horas. Não precisa ficar de olho, nem checar se a massa dobrou de volume. Parece que falta algum pulo do gato nessa receita, mas tenha fé que é assim mesmo.
  5. Leve a massa para a geladeira e deixe ali por pelo menos 3 horas. A partir desse momento, já dá para assar o pão, mas fiz o teste e não recomendo. O melhor mesmo é deixar a massa dormir na geladeira, fica bem mais fácil de manusear.

    A massa ao sair da geladeira.

  6. No dia seguinte, ou quando resolver assar o pão, retire a massa da geladeira, polvilhe levemente as mãos e a superfície da massa e puxe a quantidade desejada (recomendo o equivalente a uma laranja por vez, é mais fácil de lidar, principalmente no começo), corte com uma faca de serra afiada.
  7. Estique a massa com as mãos mesmo, nem precisa colocar numa superfície enfarinhada, e vá dobrando as extremidades para baixo, formando uma bola. É coisa de 30 segundos, lembre-se que é um pão sem sova. Aqui, o livro fala daquelas pás ou discos usados para colocar pizza em forno a lenha. Para quem, como eu, não tem nem um nem outro, basta polvilhar um pouco de farinha de milho ou trigo na forma e colocar a bola de massa ali com bastante cuidado.

    Como moldar o pão.

  8. Deixe o pão descansar por 40 minutos antes de assar. Novamente, não precisa ficar naquela torcida pra crescer, fazer mandinga, essas coisas.
  9. Quando faltarem 20 minutos para o pão terminar de descansar, ligue o forno em temperatura alta e, na grade mais baixa, deixe uma forma ou tabuleiro grande (vazio mesmo).
  10. Passados os 40 minutos regulamentares de descanso, polvilhe o pão com mais uma camada fina de farinha de milho ou trigo e, com uma faca bem afiada (serrinha funciona bem), faça leves cortes na superfície.

    Minha massa de hoje, descansada, polvilhada e marcada.

  11. Coloque o pão no forno e, num movimento rápido e cuidadoso, jogue o equivalente a uma xícara de água quente sobre aquela forma que estava aquecendo na grade mais baixa e feche o forno imediatamente. O vapor criado vai ajudar a formar a crosta crocante desse pão.
  12. Asse o pão em temperatura alta por 20 minutos, baixe para média e asse por mais 10 minutos (isso é a média, tudo vai depender do seu forno). Retire do forno e espere esfriar… se puder!

    Eu comi foi puro mesmo, a gula era tanta que a foto ficou ruim :)

A massa crua vive por duas semanas na geladeira, em vasilha de plástico tampada (não pode ser hermética, pois ela está viva mesmo, respira e tudo). A cada dia o sabor vai ficando um pouquinho mais intenso. E você também pode assar todos os pães de uma só vez, congelar e colocar direto no forno quando quiser :)

Veja também: Brioche sem sova

Não quer perder nenhuma dica, receita ou novidade do Dadivosa? Curta a página no Facebook e lembre de marcar as opções “Obter notificações”, depois “Mostrar no feed de notícias”.



19 comentários em “Receita de Pão sem Sova

  1. Silvia

    Oi, moça, tudo bom?
    Sou pitaqueira de longa data aqui… Talvez seja melhor substituir cornmeal por sêmola de milho e não farinha de milho… A farinha é aquela flocada, usada pra recheios, cuscuz e farofa…o fubá é muito fininho e não dá aquela crocância à casca do pão… Fica a dica…. Bjs e tudo de bom!

    Responder
    1. Dadivosa

      Oi, Silvia!
      Então, a farinha é serve só para a faca não colar na massa e para a massa não grudar na forma. O que faz a casquinha ficar crocante é mesmo o vapor. Já testei com essas que indiquei e também com sêmola, polenta e farinha integral. Todas funcionam :)
      Beijão e que bom ver você por aqui ;***

      Responder
  2. Renata S.

    A minha massa já está descansando na geladeira, estou ansiosíssima para assar amanhã. Se der certo, vai ser minha receita de pão oficial, já que sempre fico insegura com a sova (“Será que sovei demais? Sovei de menos?”).
    Muito obrigada por dividir a receita com a gente!

    Responder
  3. vera ribeiro dotto

    Olá ! Fiquei super curiosa com essa receita de Pão Sem Sova, e apostei nela ! Ficou saborosa sim !!! Amei ! Mas, uma dúvida porém, o pão fica branco ? Não seria o caso pra quem gosta de ter uma aparência mais dourada pincelar com gemas ou até o molho shoio ? Obrigada pelo espaço e aguardarei sua resposta, Vera

    Responder
    1. Dadivosa

      Olá, Vera
      O pão fica moreninho e não há necessidade de pincelar com nada… se o seu ficou muito branco pode ter sido a temperatura do forno. O ideal é que ela seja bem alta.
      Qualquer dúvida, pode me escrever.
      beijos ;*

      Responder
    1. Dadivosa

      Oi, Jucinara
      A proporção indicada para fazer esse pão usando farinha integral é de 5 xícaras e meia de farinha branca comum para 1 xícara de farinha de trigo integral. Se você usar somente o trigo integral, a receita não dá o ponto.
      Beijos :***

      Responder
  4. Rosangela Lopes

    Ola´, gostaria de esclarecer uma duvida, uma colher e meia de fermento equivale a 10gr? pois meu pão não cresceu. Será a quantidade do fermento ou o forno talvez. Fiquei frustrada pois adorei a receita porque não precisa sovar no entanto não deu certo comigo. Porém não vou desistir. Fiz como na receita e não deu certo o que voce me sugere? Obrigada.

    Responder
    1. Dadivosa

      OLá, Rosangela
      Que pena! Você checou a validade do fermento? Lembre-se que, para fazer esse pão, precisa de uma colher e meia de sopa de fermento biológico seco (aquele que vende em envelopes). A massa chegou a crescer quando você deixou descansar pela primeira vez? Pode ter sido o fermento, ou o forno. Me escreva contando mais detalhes, por favor, para que eu possa ajudar.
      Beijos e não desista mesmo!!!

      Responder
  5. Rosangela Lopes

    Olá, pretendo tentar mais uma vez , quanto ao fermento está dentro da validade porém não sei se usei a quantidade certa a medida usada equivaleu a um envelope de 10gr. É isto mesmo? quanto a massa, cresceu pelo menos dobrou a quantidade embora não tenha conseguido moldar o pão devido a consistência estar bem mole. É outra duvida, a consistência é assim mesmo? espero acertar desta vez. Bj

    Responder
    1. Dadivosa

      Rosangela, é tão bom quando vocês colocam as dúvidas aqui… a receita vai ficando mais clara!
      Sobre o fermento: usei colher de medida com capacidade para 15 ml. Não tenho mais fermento agora para pesar, mas uma colher e meia de sopa (15 ml + 7,5 ml) costuma dar mais do que um pacotinho de 10 g.
      Sobre a consistência da massa: sim, ela é bem mole e gruda nas mãos. A maneira de manusear essa massa é totalmente diferente do que fazemos com o pão sovado. E não se “molda” exatamente, ele fica no máximo com o formato de uma bola achatada ou uma baguette baixinha, dependendo de como você coloca na forma. O máximo que se pode fazer ao retirar a massa do recipiente é, com as duas mãos, esticar um pouco a massa no ar mesmo, sem apoiar, e ir dobrando-a para baixo de si mesma. Coisa de menos de um minuto de trabalho, não precisa mais.
      Sobre o crescimento: é uma massa que cresce bem da primeira vez, como você mesma viu (e por isso acho que a receita deu certo), mas que no segundo crescimento muda bem pouco, quase que só descansa, e no forno cresce mais um pouquinho.
      Ah, e mito ou verdade, não abro o forno antes de 20 minutos, para não mudar a temperatura lá dentro.
      Ele é um pão de casca crocante e miolo úmido, com buraquinhos.
      Espero ter ajudado, vai me falando, ok?
      Beijos ;***

      Responder
  6. Rosangela Lopes

    Fiz o pão de novo, mesmo não sendo eleito o pão da família não ficou nenhum para contar a historia. Acho que meu forno está com problemas acredito que seja esse o motivo do pão não ter ficado perfeito vou solicitar assistência técnica semana que vem. Agradeço sua atenção e quero dizer que sua didática ao explicar passo a passo a receita é ótima.Pretendo testar outras receitas e volto para contar. Bjs

    Responder
    1. Dadivosa

      Oi, Joice
      Difícil saber assim de longe, quer me dar mais detalhes? Ele é de fato um pão mais consistente, mas não deveria ter gosto de fermento. Isso acontece quando não se dá o tempo necessário para a massa crescer (antes e depois da geladeira), ou quando se erra para mais a quantidade de fermento. Se quiser contar melhor a história e mandar fotos, pode usar meu e-mail dadivosa . org @ gmail . com (sem os espaços).
      Beijos e não desista! ;***

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Arquivos

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail