Brevidades

Brevidades…

O que faz a jovem senhora Dadivosa em dia-santo de sol? Dilemáticas horas passam enquanto busco conciliar os impulsos culinários com a necessidade de corricar pela cidade. De fato, parecem feitos inconciliáveis, mas vez por outra consigo ter o melhor dos mundos.

Cheguei em casa com aquela vontade que a leitora assídua já conhece: a de bater um bolinho. Na despensa, apenas uma ou duas colheres de sopa de farinha de trigo, o que parecia dificultar sobremaneira meu intento.

Porém, ao fundo da prateleira, vi a luz, digo, vi um pacote de polvilho doce. No verso, uma receita simples e aparentemente rápida mas que levava 8 ovos, quantidade da qual não dispunha no momento. Decidi-me, então, por confeccionar metade da receita, pois a vontade de cozinhar normalmente me faz superar obstáculos diversos, falta de ingredientes inclusive.

O bolinho em questão chama-se Brevidades, nome simpático que ganhou meu coração muito embora eu nunca o tivesse provado, fato que adiciona emoção à tarefa, mas que também pode trazer pequenos reveses, como os a leitora verá a seguir.

Também me chamou a atenção o fato que essa espécie de pão-de-ló não contém glúten, o que pode ser de grande utilidade para aquelas pessoas privadas de consumir a substância, ou seja, eis uma ótima receita para celíacos!

Ingredientes:

  • 4 ovos (claras e gemas separadas)
  • 1 pitada de sal [foi por minha conta, para ajudar a subir as claras em castelo]
  • 1 xícara de açúcar
  • 1 ½ xícara de polvilho
  • ½ colher de sopa de fermento em pó

Como Fazer:

  1. Ligue o forno para preaquecer enquanto separa os ingredientes.
  2. Unte um tabuleiro ou pequenas forminhas com manteiga.
  3. Adicione uma pitadinha de sal às claras e bata-as, com a batedeira, até formarem picos firmes.
  4. Junte o açúcar e as gemas sem parar de bater.
  5. Foi aqui que me perdi, querida leitora. Eu e minha tendência para a fuzarca na cozinha!

O polvilho é uma espécie de talco, farinha de textura muito fina, não é mesmo? Pois bem, mesmo sabendo disso, no auge da empolgação boleira, derramei o polvilho dentro da massa sem desligar a batedeira. O que sucedeu foi uma pseudo-hecatombe, um belíssimo cogumelo de poeira branca que pairou no ar por alguns (longos) segundos antes de se depositar sobre a mesa de trabalho, a roupa, as cadeiras, o chão… felizmente a cã não se interessou muito pelas brevidades e estava na sala, assistindo ao jornal.

Após algumas gargalhadas solitárias e a brilhante idéia de desligar a batedeira, busquei na gaveta meu fouet para finalizar a incorporação do polvilho na fofura de ovos e açúcar.

6. Por fim, é preciso juntar o fermento, mexer novamente, despejar a mistura na(s) forma(s) e levar ao forno médio. A receita indicava 50 minutos, mas fiquei bastante receosa, não parava de conferir o andamento da assadura e olvidei-me de marcar o tempo exato, valendo-me apenas dos olhos para conferir a cor morena e do teste do palito para checar se a massa estava cozida.

É necessário contar à amiga leitora que não fiquei satisfeita com esta feita: supriu-me o desejo de bater o bolinho, mas o resultado ficou aquém do que eu esperava. Achei um pouco seco e sem graça, ou desabrido, como diz a vogra.

À leitora e ao leitor queridos, pouso as seguintes questões gastronômico-filosóficas:

  • Ficariam mais gostosas as brevidades se eu tivesse usado pequenas forminhas em vez de um tabuleiro?
  • O que me diz a leitora que conhece a fundo a iguaria: a foto se parece com Brevidades ou não passa de uma impostora?
  • Ou, ainda, teria eu, por puro desconhecimento, exigido e esperado demais desta receita simples?

Não quer perder nenhuma dica, receita ou novidade do Dadivosa? Curta a página no Facebook e lembre de marcar as opções “Obter notificações”, depois “Mostrar no feed de notícias”.



36 comentários em “Brevidades

  1. Patricia Scarpin

    Dadiiiiiiiiiiiiiii!!!! Vc não existe, mulher.
    Não te conheço pessoalmente, mas consegui visualizar uma pobre (doida? – brincadeira) mulher no meio da fumaça de polvilho. Ri demais aqui. Ainda bem que o chefe está viajando, senão ele já viria aqui perguntar o que era “estE merda”. hahahahaha

    Nunca comi brevidades mas já ouvi falar muito. É bem tradicional, não é?

    Bjs!

    Responder
  2. Dadivosa

    Olá, Leila
    Obrigada por solucionar esse mistério! Só eu mesma pra achar que um bolinho tipo pão-de-ló, assim, sem gordura nem leite poderia ser molhadinho, né? Vou procurar uma brevidade na padoca aqui para comparar com a minha :)
    Seja bem-vinda aqui na minha cozinha e volte sempre!
    Beijos

    Responder
  3. Vitor Hugo

    Dadivosa, obrigado pela visita também! =) E realmente, eu esqueci de postar a receita mesmo. Efeito da dor de cabeça de ontem, heheheh. Mas já está lá. :D

    Brevidades… hummm, levando em conta que é usado polvilho doce que nada mais é do que uma “farinha a base de mandioca” na essência, ou seja, um ingrediente bem sem graça, não? heheh

    Ahhh, olha o preconceito, tem leitor amigo aqui também, heheheh.

    Responder
  4. Dadivosa

    Victor, você tem razão. Vez por outra acabo por dirigir-me somente à leitora amiga por referir-me à Dadivosa que existe dentro de cada um de vocês, daí a confusão.
    Mas veja que ao final pedi socorro “à leitora e ao leitor queridos”… por favor, aceite minhas sinceras desculpas e não deixe que sua Dadivosa se abata por esse detalhe ;***

    Responder
  5. Márcia

    dadi, vc me mata de tanto rir!!!!
    Suas estórias são cõmicas, especialmente qdo há estes pequenos desastres…
    Bem, eu nunca ouvi falar em brevidades, mas acho todo pão de ló meio sequinho, mesmo. Bom para rechear muuuito, e deixar bem úmido!
    Bjos.

    Responder
  6. Dadivosa

    Márcia, acho que foi o calor do momento que me deixou um tanto decepcionada. Ontem comi um pedaço e até que gostei :)

    Ana, obrigada. Eu nunca tinha comido as tais, daí minha dúvida se estariam realmente a contento.

    Elvira, o pão-de-ló português é feito como? Com farinha de trigo mesmo?

    ;***

    Responder
  7. Dadivosa

    Dauro, querido!!! Que bom vê-lo por aqui… vou ao DVeras em Rede todos os dias para ler suas miguelices, brunitezas e escritos em geral :)

    Renata, pois é, sempre imaginei que as brevidades fossem feitas em pequenas forminhas, mas como não as tenho em casa, foi no tabuleiro mesmo ;)

    ;***

    Responder
  8. Akemi

    Amiga, rolei de rir aqui! hahahaha Nada como ler um delicioso post como este após um exaustivo dia de labuta!
    Já comi brevidade há muuuuuuuitos anos atrás. Foram feitos em forminhas de empadinhas e são mesmo meio secos, precisa tomar chá junto para descer! rsss Mas são bem gostosinhos, lembram sequilhos!
    Compartilho com vc esse sentimentoneurótico-boleiro que quando chega só se acalma depois do bolo feito e assado! rsss
    Ameeeeeeei demais este post! Pena a cã ter perdido este espetáculo! Aí o ficaria completo! rsss
    Bjs

    Responder
  9. Dadivosa

    Akemi querida, a Frida tem personalidade de gata, só faz o que quer! Ainda bem que ela não estava junto, pois ia ficar toda branquinha de polvilho e sair espirrando pelo mundo ;)
    Quanto à vontade de bater um bolinho, realmente, ela só pode ser aplacada por uma boa sessão de terapia culinária, né?
    Beijos

    Responder
  10. Renata-Carolina

    Eu nunca comi brevidades, mas concordo que algo sem manteiga e sem leite não tem mesmo como não ficar seco e sem graça!! :)

    E a “noite das arábias”, hein? Vai ser no final de semana ou no meio da semana?

    Eu fiz o pão integral novamente no domingo e constatei que esta foi eleita minha “bad cooking week”. Sabe aquela coisa de até ovo cozido não ficar no ponto e você descascá-lo todo troncho? Não ousarei me aventurar em nada mais complexo até a mudança de fase da lula! hahaha

    Beijos!

    Responder
  11. Dadivosa

    Karen, ficou fofinha mesmo. Acho que eu estava muito exigente naquele dia, pois mais tarde até gostei do resultado… claro que depois de ajustar a expectativa, né?

    Renata-Carolina, a fase da “lula” só vai acabar daqui a quatro anos e tanto! Hahha! É muito tempo, mulher! Ainda não consegui fixar uma data para nos encontrarmos. Falamos até o fim da semana, combinado?
    Quanto à bad-cooking-week, persevere! Você vai ver que antes de mudar a fase da *lua* você estará novamente em plena forma :)

    Leila, que bom! Venha sempre e, quando tiver vontade, me deixe um alozinho ;)

    ;***

    Responder
  12. Karla

    Dei muita risada amiga, imagino o poeirão de povilho. kkkkkk
    Fazer uma receita de brevidades que vinha na caixa de Maizena foi a minha estréia na cozinha qdo tinha 12 anos. Lembro que ficou murcho, e achei meio seco, mas o meu pai, um fofo que era, elogiou e resolveu que comer acompanhado de doce de banana de rodinha, daqueles bem roxinho, era tudo que a brevidade precisava pra ficar maravilhosa. Desde então me apaixonei por cozinhar pros meus amores.
    Bjs

    Responder
  13. Dadivosa

    Michel, seja muito bem-vindo! Obrigada pela visitinha e pelo comentário.

    Veia, pois então! Será melhor um chá de boldo? Ou de carqueja? Ou ainda um Coscarque???
    ;***

    Responder
  14. Pingback: Cookies de açúcar » aleatório 2.1

  15. vania bernardes de paula artiaga

    que nada eu mesma nunca tentei,e sua(hecatombe)rsrsrs ficou diga se de passagem que eu nao experimentei,mas pela casa ,a verdadeira brevidade que minha saudosa ,e boa vovozinha fazia.sucessusssssss

    Responder
  16. vania bernardes de paula artiaga

    que nada eu mesma nunca tentei,e sua(hecatombe)rsrsrs ficou diga se de passagem que eu nao experimentei,mas pela cara ,a verdadeira brevidade que minha saudosa ,e boa vovozinha fazia.sucessusssssss

    Responder
  17. paula

    Oi
    Adorei saber que Brevidades não leva farinha tipo trigo, pois sou intolerante ao gluten. No entanto numa padaria não como, sempre colocam farinha de trigo em tudo.
    penso que o probelma das suas brevidades terem ficado secas foi colocar fermento, vai fermentar e como não tem gluten não vai resultar bem, além de que o ideal pelo que li em várias receitas de brevidades é colocar mais gemas que claras e tudo junto ao mesmo tempo. Olha eu adoro fazer doçaria, toda semana faço uns 2 bolos e estou sempre em busca de algo novo, tudo sem gluten e sem lacteos.
    Vou fazer as brevidades e volto com o resultado

    Beijos

    Responder
  18. João Cardoso

    Olha, minha cara Dadivosa, eu conheci esta goloseima a uns quarenta e oito anos atraz, quando era criancinha la pras bandas de Goiânia, minha Vó, que era excelente quitandeira, fazia brevidades em forminhas e em taboleiros, como na dispunhamos de outros meios para armazena-las ela as guardava em latas de Quarta com tampa (latas de 20 litros) onde podiam permanecer por ate um mês sem perder o sabor ou a qualidade. Hoje, quase não vejo mais este delicioso quindim. Agora pelo que eu lembro, a na brevidade que ela fazia não havia fermento e os ovos eram batidos com açucar ate perder a maior parte do odor e em seguida adicionava canela moida. Normalmente se usava uma duzia de ovos para se ter uma brevidade de taboleiro de uns 3,8kg ou umas 20 peças em forminhas de 150ml. Me recordo de que nunca mais comi, algo do genero, tão saboroso

    Responder
  19. ligia matyniak

    Nossa quanta fofurice junta (de todos).. pesquisei sobre brevidade hoje porque acabei de ganhei uma receita, mas a curiosidade levou o gato(a) ir em frente…risos…cheguei aqui….e…me indicaram o tabuleiro…então, ambas, certíssimas…assim, se refina tbm os gostos…porque não?

    beijocas carinhosas nas divas e divos…( P.S.:… uma sobrinha diz que somos diva (ela 17 eu 61…não desminto kkkkkkk)

    Deus abençoe todos nós :o)

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Arquivos

Post aleatório

Minhas Penosas

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail