93 dias e uma inFoxicação culinária

Pois, três meses e um bocadinho de minha estada em terras espanholas e achei por bem dar uma sacudida na preguiça e reunir aqui um apanhado cronologicamente aleatório (e sentimental-dadivosamente relevante) do que a memória ainda permitir (sem fotos, por enquanto, que a meta do dia é só escrever):

  • Uma leitora muito querida, a Deborah, por e-mail, contou que seu filho de 30 anos, monge, não era muito chegado na cozinha. E que recentemente dividiu com ela, por telefone, que estava preparando comidinhas para os outros monges, fazendo broa de milho e tudo, vez por outra usando receitas publicadas aqui pela que vos fala. Deborah e Satya, sorrio constantemente lembrando dessa história tão querida, obrigada por contar isso e me encher de alegria!
  • Falando de leitoras queridas, tomei um lanchinho com a Thaís, amiga da Ana de Toledo, no Lolina Café, que fica no bairro de Malasaña (acho) aqui em Madri. Companhia agradabilíssima, descobrimos coisas em comum, Thaís me passou uma dica ótima de iogurte alemão, que infelizmente não pude comprar porque minha minigeladeira não comporta um baldinho daquele tamanho. Ainda não desisti de encontrar uma embalagem menor.
  • Sigo peleando com o quesito frigorífico, não posso fazer compras empolgadas de perecíveis, tampouco de não perecíveis, já que o espaço de armazenamento é escasso. Quando chego em casa os mercados do caminho já estão fechados, com exceção daquele de estende as horas de serviço e os euros cobrados. Fica no térreo do meu prédio, acaba que passo por ali quase que dia sim, dia não. Quebra um galho, mas não me animo a comprar aquelas carnes e frangos empacotados. Já os vinhos…
  • Senhor Dadivoso e eu temos uma piada interna recorrente, que é dar nomes genéricos-nonsense para coisas consumidas constantemente. Em São Paulo, por exemplo, eram pizzarias de bairro, daquelas que a gente vai a pé, que chamamos de Babbo Giovanni. Sei que existe uma rede com esse nome, onde nunca fui, mas o nome soa bem e pra gente toda pizzaria de bairro tem essa alcunha. Pois recentemente batizamos uma denominação de origem de vinhos espanhóis, o Rueda de los Pandas (?!). Diz Mr. Dadivous que está louco pra pregar uma peça em pretensos conhecedores desavisados.
  • São nove da tarde (porque os espanhóis falam assim e porque o sol só resolve dar trégua bem depois das 10), faz 32 graus na sombra. O verão mal começou. Muita gente na rua, jovem, experiente, beeem mais experiente a ponto de apoiar a sabedoria em bengalas e ter de andar devagarzinho, crianças, adolescentes… quando acaba o trabalho, o dia está começando para essa cidade. É gostoso de ver as calçadas coalhadas de mesinhas repletas de risadas, tapas, pinchos, cañas, raciones de croquetas e de patatas.
  • Tenho a impressão de que meu espanhol aqui só fez piorar. E meu português também. Estou no limbo linguístico, lost in translation, perdue, despistada, clueless, tansa. Misturo tudo. Verdadeira paella de palavras, salade niçoise de termos, ensopadão de sotaques, barbecue de significados.
  • Até agora só comprei dois livros de receita (nada espetaculares, um deles bem útil para entender o jeito espanhol de cozinhar e os produtos de cada estação) e quatro revistas de comida. Assisto ao Canal Cocina cada vez menos, enfadada com os episódios repetidos e alguns programas meio chatinhos. O Quién da la Vez? – com percorre 13 mercados para falar de temas como cogumelo, tomate, queijo, jamón – tem sido meu preferido até então. 4X20 é o que compreensivelmente mais repete, com seu menu completo (primeiro e segundo prato e sobremesa) para quatro pessoas por menos de 20 euros. Preciso contar pra vocês sobre o Bocaditos de Cielo , apresentado por duas irmãs Concepcionistas Franciscanas, Liliana (a mais jovem) e Beatriz (curvadinha, com um sorriso querido demais), direto da clausura em Segovia. A produção é espartanta, os doces são apetitosos, daqueles típicos de convento, as falas são ensaiadinhas, Liliana é infelizmente a protagonista, me incomoda que Beatriz seja quase como a Aparecida da Ofélia… na minha opinião o show deveria ser todinho dela.
  • Bati apenas um bolinho em todo esse tempo. Foi uma Nega Maluca da Yuli, um pedaço comi co zói chei d’água pensando na família, o restante levei para o vizinho e para o porteiro.
  • Brigadeiro, fiz três vezes: na páscoa, para levar pros culéga da fiiirrrrma e pro aniversário-feijoada da chefa. Nessa última feitura, contei com a prestimosa ajuda do Sr. Dadivoso, que com muita habilidade, duas colheres de chá e contra meus prognósticos, passou os doces no granulado sem sujar as mãos nem nada ao redor e sem estropear nem roubar sequer um docinho.
  • Apesar de todos os estímulos (ou seria justamente por causa deles), de novos e fascinantes ingredientes, de conversas em torno de comida com os locais, de programas de TV, revistas e visitas aos mercadinhos vários, tenho cozinhado muito pouco (e escrito menos ainda, mas isso o Leitor e a Leitora queridos já sabem). A verdade é que sinto padecer momentaneamente  de uma inFoxicação culinária, uma espécie de sobrecarga de informação sobre comidas e seus anexos. Quero crer que se trata de uma fase de acomodação apenas, de absorver o novo, de dar tempo ao tempo. Mas devagarzinho eu volto, fiquem comigo, no me falleis!

Un beso ;***



15 comentários em “93 dias e uma inFoxicação culinária

  1. Karina

    Dadi!
    Que saudade de vc querida!
    Estava até ficando preocupada!
    hehehehe
    Queria tanto abracá-la e lhe agradecer pela revolução que fizeste em mim!
    Estou libertando a Dadivosa que há em mim!
    Continue postando de vez em quando pq sentimos muita falta dos seus posts.
    Grande Beijo no Coração
    Kaká

    Kaká, abraço aceito e sentido desde Madri :)
    Obrigada pelo comentário tão querido, curta muito sua Dadivosa recém-liberta e seu blog-cantinho ;***

    Responder
  2. Vanessa Maurer

    Claro que sentimentos a falta dos posts… mas, é perfeitamente compreensível na sua situação… tantas informações para o paladar, olfato e visão… tantas texturas, sabores, cores e temperos para sentir…

    Aproveite… aproveite com a calma da velhice, a alegria e entusiasmo da adolescência e curta como os prazeres da vida adulta… tudo na vida, só acontece uma única vez!

    Beijocas

    Van

    Responder
  3. Ruth

    Oi nega
    Que bom ver você de novo na área.Passava quase todos os dias por aqui, na esperança de ler aquelas coisinhas gostosas ,que só você sabe escrever( e olha que não é corujisse de mãe).
    sempre que faço o ensopadinho de vagem,o bife a milaneza,a bata ta urgente e tantas outras cositas mais…lembro de quem??Pois é…ainda bem que existe internet,assim a saudade é amenizada por esta ferramenta.
    Beiiiiiiiiiiiijos com saudade
    Ruth

    Responder
  4. Verena

    Dadi, fico aqui imaginando que delícia deve ser estar no meio de tantas novidades,cheiros e sons diferentes!
    Aproveite muito e de vez em quando vem aqui nos contar das modas!
    Beijos!

    Responder
  5. Karina

    Dadi!
    Obrigada pela visita..
    Soltei a Dadivosa que há em mim..
    Pena que ela é meio desingonçada e apronta cada coisa!!Os desastres acontecem, mas persisto pq uma hora acerta..ehheheh
    Beijocas
    Kaka

    Responder
  6. Fafah

    Ah que bom vc de volta! sinto saudades dos textos bem escritos, poeticos diria…
    então, vc já está bem adptada ,e já sinto que aflora uma “espanhola caliente” aí. Olé!!!

    Responder
  7. Cinara

    Fer, só agora fiquei sabendo que você se mudou para a Espanha, querida!!! Que delícia! Eu estava afastada da blogosfera desde janeiro, e só retornei agora… Então, colocando em dia minhas visitas, cheguei até aqui e fiquei sabendo das novidades! Espero que essa sua temporada aí seja muito rica em todos os aspectos… E não deixe de nos contar *tudo*, hein? ;o)
    Beijinhos!

    Responder
  8. V

    Hey stranger!

    Fazia décadas que eu não passava por aqui e fiquei feliz de ver que os caminhos que te levam pra longe não te afastaram de ninguém…
    Este blog continua meu preferido e sempre ótEmo.

    beijos gaúchos de Londres!

    Responder
  9. brisa

    Wow. qta coisa legal. Tb tenho probs com a mistureba na fala (english, port, french and spanish).

    haha. fiz o TEU bolo “nega maluca da Yuli” na 6a passada. Fiz com organic wheat pastry flour. Ficou lindo!!Tive que molhar um pouco pois ficou lindo, mas meio seco.

    e seu pudim de leite moca AINDA eh o melhor ( ja postei isso antes pra voce..hehe)

    Enjoy!

    xoxo

    Bri

    Responder
  10. Gina

    Vim conhecer o seu cantinho e gostei do seu modo de escrever.
    Minha filha passou um ano na Espanha estudando e voltou ao Brasil em dezembro. Volta e meia publico algo sobre o país e nossas andanças por lá. É muito gostoso compartilhar.
    Bjs.

    Gina, obrigada pela visita, pelo comentário e por compartilhar seu blog. Quanta coisa linda que tem ali! Vou colocar o link na minha lista aqui do lado :)

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *




Arquivos

Newsletter

Assine para receber no seu e-mail